5.4.10

1km de flores cobre o chão de São Brás de Alportel na Festa das Tochas, no Domingo de Páscoa



É de flores esta festa, em homenagem a Cristo ressuscitado. Flores que adornam as varandas engalanadas, que enfeitam as tochas, que cobrem o chão, que perfumam o ar que se respira.
O tapete de flores, com 1km de extensão, descreve todo o percurso da procissão. Para construir esta verdadeira obra de arte, são precisas 3 toneladas de flores e 200 mãos voluntariosas, que não dão tréguas num trabalho meticuloso. Depois de uma árdua semana de trabalho, na apanha e preparação das flores, é na véspera do Domingo de Páscoa, que todos os minutos são poucos, noite fora, até ao amanhecer, para que na manhã de Domingo de Páscoa, tudo esteja preparado para a grande Festa da Ressurreição.
O Município de São Brás de Alportel apoia as tradições culturais e por isso procura valorizar esta festa que anualmente traz ao concelho mais de 6.000 visitantes.

As ruas apinham-se de gente, as varandas estão engalanadas, as colchas estendidas ondulam ao vento. Deslumbrantes tapetes de flores, magnífico trabalho de mãos voluntariosas, descrevem o percurso da Procissão. É a tradição quem fala mais alto neste dia, e por ela erguem-se as tochas, canta-se “Ressuscitou como disse! Aleluia! Aleluia! Aleluia!”, sente-se a emoção de um dia pleno de sentir popular.
São Brás de Alportel é uma terra em festa em cada domingo de Páscoa. Filhos seus, dispersos por outras terras do país e do mundo, tornam à terra que os viu nascer, neste dia que é de orgulho para todos os são-brasenses.
Mas não só os filhos da terra visitam São Brás neste dia, ano após ano, são milhares os turistas que passam por São Brás no domingo de Páscoa.
“Ressuscitou como disse, Aleluia!”

Este é o grito que ecoa pelas ruas, cobertas de flores.
Esta é a voz da Fé que se renova ano após ano. Esta é a força da tradição!
A vila é um mar de tochas floridas. 

1km de flores cobre o chão de São Brás de Alportel na Festa das Tochas, no Domingo de Páscoa
No Domingo de Páscoa, a bonita vila de São Brás de Alportel, no coração do sotavento algarvio, trajou-se de festa e acolheu uma das mais antigas e genuínas manifestações do sentir religioso e popular – a secular Procissão de Aleluia. Nesta Festa das Tochas Floridas, única no país, os andores dão lugar às flores, com que se enfeitam as tochas, empunhadas pelos homens ao longo do cortejo. E formando alas, os homens erguem ao alto a sua tocha e respondem em coro ao principiador “ressuscitou como disse”, com um sonoro e vibrante “Aleluia! Aleluia!! Aleluia!”
Os homens, formando alas, abrem a procissão, empunhando uma tocha na mão. Ao longo da procissão, reúnem-se em pequenos grupos para, alternadamente, se levantar o grito do “aleluia”. Aqui e além ouve-se uma voz potente e sonora: “Ressuscitou como disse!”. O grupo erguendo bem alto a tocha, com grande alegria e entusiasmo, responde: “Aleluia, aleluia, aleluia!”.
É a manifestação popular da fé em Cristo ressuscitado.
O grupo erguendo bem alto a tocha, com grande alegria e entusiasmo, responde: “Aleluia, aleluia, aleluia!”.
 Filhos seus, dispersos por outras terras do país e do mundo, tornam à terra que os viu nascer, neste dia que é de orgulho para todos os são-brasenses.
Aleluia! Aleluia! Aleluia!”, sente-se a emoção de um dia pleno de sentir popular.