Seguidores

25.7.15

Partidas e chegadas


 Partidas e chegadas
 Não te preocupes. Eu volto.

A Primavera deixou o tempero para todos nós! Com flores e aromas!
E enquanto os artistas resistem, chegam espantalhos. Cada vez menos nos campos e quintais, mas, de vez em quando, no parque da cidade.
Andar por aí!
Não estranho a hora. Não se agitam as aves ao fim da tarde? Ao chegar a noite, à hora em que os leões bebem e as aves procuram refúgio, sou assaltado pela dúvida ancestral: será que as trevas voltarão a dar lugar à luz? Regressei a casa sem medo do desconhecido.
Que outro lugar, senão um aeroporto condensa sob o mesmo tecto a alegria do encontro e a tristeza da despedida?
   No entanto, só percebo o calor do abraço quando sinto a dor de respirar o ar frio da solidão. Cada um que passa na minha vida passa sozinho, mas quando parte, nunca vai só nem me deixa só.
Às vezes é preciso ouvir quem parte para perceber o tanto que temos por cá!
 Leva um pouco de mim, deixa um pouco de mim. “Há o que leva muito, mas há o que não leva nada”.
Em cada despedida é inevitável o medo que temos de nunca mais nos voltarmos a ver!
Chegou o tempo de desfrutar desta delicia que a natureza oferece. A alegria que o Verão desperta e com o calor que paira no ar, a radiação ultravioleta pode causar graves prejuízos à saúde, caso o nível exceda os limites de segurança. Deve, por isso, usar óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol, protector solar e evitar estar ao sol nas horas de maior calor. A exposição das crianças ao sol deve ser ainda mais evitada.
Quando parto para abraçar a natureza que me rodeia e fazer a minha caminhada matinal neste lindo país, fico com a sensação de, pelo menos por uma hora, entrar num paraíso. Tudo com os braços bem abertos. Sim, com os braços bem abertos. Para poder abraçar, dia após dia, esta natureza que, eu pelo menos adoro! Depois deverá agradecer à natureza a oportunidade de receber e trocar as suas energias com a da árvore. A natureza é fundamental para a nossa sobrevivência.

14.5.15

Rota da chanfana

É preciso preparar o forno para receber a chanfana. Temperar com tudo o que se tem em casa:  a cabra – que já não dava leite nem cabritos; o vinho – da própria adega; o louro; o alho; o colorau e a boa vontade. Deixa-se ficar no forno até à hora de ser servida.
 Uma chanfana impecável de fazer uma vénia à bonita aldeia "presépio" de Vale do Açor!

Com a aldeia ali tão perto, com curva e contra curva, o majestoso rio Dueça e este cenário é impossível descobrir de carro.
Em bicicleta, Vale do Açor  tem outro sabor, ganha pontos nas rotas da aventura.

Abastecimento sólido. Deixo os meus parabéns aos Bikeonelas, à organização e aos voluntários pelo excelente trabalho que realizaram.
Aqui há um espírito de colaboração e entreajuda dos residentes que é de louvar. O meu abraço a todos!
Foi uma excelente manhã de BTT, a ser bem recebido e bem tratado pelo pessoal de Vale do Açor.

29.3.15

As fotografias que fazem os meus dias

 Eugenia uniflora (pitangueira)
Às treze horas o sino da igreja tocou e eu fiquei à janela observando aquele momento de paz, onde a natureza mostrava toda a beleza da chegada da tarde. Era um momento mágico, onde os pássaros voavam em busca de alimento e onde o silêncio se fazia após o toque do sino da igreja, as folhas das árvores estendiam-se e pairava no ar todo aquele recolhimento! Foi neste instante que eu senti uma felicidade genuína, simples como esta casa onde eu vivo, deixando saudades ao lembrar idênticos momentos, saudades do cheiro da pitanga!
 A minha sensibilidade esquece a lógica e apenas delicia-se com a beleza e o perfume da flor magnífica!

Ponto de encontro
Nesta Cidade uma escultura é mito fixo pois contém em si a substância para contar histórias e viajar pela mão de uma vendedora. É no território entre a luz e a sombra, entre o antigo e o actual que a vendedora desvenda ao público as "histórias de princípios", símbolos fortes do nosso imaginário, ora trágicos, ora alegres, sempre poéticos e intemporais.
A planta da alegria, igualmente bonita, influencia a economia de nações, provoca guerras, inspira poetas e trouxe a ruína de muitos. É derivado da seiva da papoila opiáceo que é cultivada desde a era neolítica. A flor é usada como alimento, as sementes não tem qualquer efeito narcótico e são usadas como condimento, mas a seiva colhida das plantas ainda verdes é extremamente narcótica.
Há uma nostalgia...um rosto desgastado de mulher viúva.... Gosto muito pelo frio e a frescura que transmite , a cor subtil .... aqui está ela como se fosse de papel amarrotado ou mesmo tecido....
Uma saia a secar....a dona distraída esqueceu-se de a levantar e agora a coitadinha ficou molhada do orvalho choroso...
Pedras Nuas Afonso
 Descobertas que mudaram o mundo.
Os dispositivos electrónicos podem produzir sons, enviar mensagens, mostrar imagens, medir, memorizar, calcular e controlar.
 O eclipse solar passou bem por cima das nuvens.

O Sol esteve quase totalmente tapado por cá, mesmo assim, aqui o registo de alguma evolução do eclipse pelo planeta.
A mensageira de um novo dia dá às crianças muita alegria. 

Mas se umas estão de partida, outras estão de regresso e ainda há outras de passagem, que aproveitam a boa oferta «gastronómica» desta zona, um ecossistema cada vez mais raro na Europa, para retemperar forças. As gaivotas, por aqui andam. Formam uma vistosa imagem quando pousam numa pedra.

É a altura perfeita para usufruir de umas férias.