8.8.10

ENTRE O CEU E A TERRA


   Uma das árvores tradicionais da nossa paisagem, mas cada vez mais desprezada.
A preservação das oliveiras portuguesas, uma das espécies mais fantásticas da paisagem mediterrânica. Esta árvore não esta protegida pela legislação nacional e seja, hoje em dia, preferida nos jardins portugueses por palmeiras ou buganvílias, estranhas ao nosso ambiente natural e que necessitam, inclusive, de mais manutenção e grandes quantidades de água.
  O desencanto por uma das árvores seculares da nossa flora deve-se, por um lado, a mentalidade das pessoas, rendidas às espécies exóticas, e por outro o desleixo com que as árvores autóctones – de que as oliveiras fazem parte - são tratadas. O trabalho é mal feito desde o início, a árvore não é bem trabalhada, há muitos particulares que desistem de comprar oliveiras, porque as vêm sem qualidade plantadas pelas câmaras municipais em rotundas. São árvores muito feias, porque foram mal podadas, e isso influencia negativamente as pessoas”. As contenções orçamentais acabam por condicionar a compra de árvores mais bem cuidadas por parte das autarquias, mas aponta as vantagens desta espécie. “Não precisa de água, é muito resistente e até dá frutos”.
  Existem em Portugal oliveiras com 400 e 500 anos, que deviam estar protegidas. Quando fossem arrancadas, deveriam sê-lo apenas por pessoas especializadas. Em Itália, França e Espanha é uma espécie protegida. Em Portugal é proibido arrancar sobreiros, mas oliveiras não. Falta especialização na construção de jardins ecológicos, inspirados na paisagem mediterrânica, assim poderia inverter-se esta realidade. E o trabalho começa logo por combater ideias pré-concebidas por muitas pessoas, habituados ao tradicional relvado com palmeiras. Com este trunfo especial: as oliveiras triunfavam. Quando se vê estas árvores bem tratadas, com um porte fantástico, muda-se de ideias.
  Os espaços verdes podem, contemplar espécies exóticas, para rodear uma casa ou uma piscina. Mas sem abusos, porque exigem mais água e manutenção. Ao contrário da relva e das palmeiras, com um efeito decorativo imediato, os jardins com oliveiras produzem, por vezes, resultados apenas ao fim de dois anos. O resultado final é fantástico. Em vez de termos um jardim vulgar, todo verde, consegue-se obter uma verdadeira paleta de cores. O certo é que as oliveiras ganham cada vez mais adeptos, entre ingleses, alemães, franceses e holandeses. E portugueses? São mais virados para o exótico, mas se virem um jardim bem decorado com oliveiras, mudam de ideias. Precisam é de ver!
  AGRADEÇO A TODOS que me proporcionaram captar estes instantes únicos e gratificantes momentos. Tenho as certezas que mudaram para um local seguro que garante o prolongamento das suas vidas.